Prefeitura Municipal de Canela

Assinada concessão para reabertura do Parque do Pinheiro Grosso

30/01/2020

Texto: Márcio Cavalli

O Município de Canela e a incorporadora Novalternativa assinaram o contrato para a revitalização de mais um atrativo turístico de Canela desativado há anos: o Parque do Pinheiro Grosso, situado na ERS-466 – a estrada para o Caracol. O ato ocorreu no gabinete do prefeito Constantino Orsolin, com a presença de membros do primeiro escalão do Executivo, na manhã desta quinta-feira (30).

A data para a assinatura do instrumento foi proposital. Isso porque há um ano a Novalternativa inaugurava a Estação Campos de Canella no coração da cidade, como concessionário do bem público. Ainda nesta quinta-feira, lá será aberto o parque temático Big Land.

Assinatura ocorreu no gabinete do prefeito. Foto: Rafael Zimmermann

A área do empreendimento corresponde a 125.773,07 m² e as obras, cujo investimento gira em torno de R$ 4 milhões, terão início em alguns dias. O objetivo é reabrir o Parque do Pinheiro Grosso em um ano, a e concessão à iniciativa privada será de 25 anos, segundo Fernando Bassani, diretor da Novalternativa

O arquiteto Marco Santini, responsável pelo projeto, explica que as obras são divididas em três etapas. A primeira contempla, entre outras melhorias, a passarela de acesso à maior espécie do pinheiro-brasileiro (Araucaria augustifolia) em território nacional. Ela agora será coberta, de modo a permitir o acesso de frequentadores independentemente do momento climático.

O local contará com mirante e observatório, com possibilidade da prática de esportes como rapel e tirolesa com vista para o vale. Haverá também um borboletário, visto que o Rio Grande do Sul é o estado que concentra a maior quantidade do inseto no país, conforme Santini. “O elemento principal é o pinheiro, e a proposta é resgatar aquele bem, devolver toda a beleza aos moradores de Canela, com ambiente de flora e fauna revigorado”, detalha.

PODER PÚBLICO

Para o prefeito Constantino Orsolin, a revitalização de um dos ícones de Canela representa uma alternativa para entregar a quem de ofício tem a função de gerar investimentos. “O poder público não sabe fazer dinheiro, produzir riqueza. Quem foi feito para isso é a iniciativa privada”, confirma. Orsolin citou a Estação Campos de Canella como sucesso de uma parceria público-privada bem consolidada.

A solução encontrada pelo governo de Canela para reativar patrimônios da cidade, fomentando a atividade turístico-econômica, deve-se à lei chamada Canela do Futuro – a lei municipal nº 3.934/17. “É uma legislação que estimula o empreendedor a investir no município, gerando renda e emprego”, diz Vilmar Santos, idealizador da norma quando responsável pela Secretaria de Governança, Planejamento e Gestão, atualmente respondendo pela Saúde. “Hoje é um momento feliz e importante para os rumos de Canela no turismo”, destaca Luciano Melo, atual titular da pasta de Governança.

“A gente fica feliz de uma empresa assumir o Pinheiro Grosso e valorizá-lo. Vai ser explorado de forma mais correta, vai receber os visitantes com mais segurança e conforto. A Prefeitura vai continuar ajudando na logística, na promoção, na institucionalização do turismo com todas as atrações de Canela”, opina o secretário municipal de Turismo e Cultura Ângelo Sanches.

PINHEIRO GROSSO – HISTÓRIA

O pinheiro-brasileiro que referencia o parque na estrada do Caracol foi descoberto em março de 1975 pelo tenente Edy Saul Pütten, segundo o livro Os Canelistas, do jornalista Márcio Cavalli. Ele havia chegado no final dos anos 40 a Canela para implantar o quartel da Brigada Militar na cidade.

Imponente pinheiro no parque. Foto: Ricardo Varela/arquivo Prefeitura de Canela

Na época, seu Edy administrava o Parque Estadual do Caracol. Numa das idas para casa, encontrou um guri com uma trouxa e perguntou se ele tinha pinhão. Diante da negativa, brincou: pois, se no mato próximo não tinha nem pinheiro, muito menos pinhão.

Mas o guri disse que havia e o levou por uma trilha. Seu Edy se impressionou com a altura de 42 metros da árvore. Dias depois, um carroceiro de nome Cesario disse-lhe conhecer o tal “pinheiro do Pulador” há uns 50 anos, ou seja, desde os anos 1920 do século XX. A árvore servia para nutrir moradores da localidade com pinhões.

Last modified: 30/01/2020

Comments are closed.

Page Reader Press Enter to Read Page Content Out Loud Press Enter to Pause or Restart Reading Page Content Out Loud Press Enter to Stop Reading Page Content Out Loud Screen Reader Support